sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Por você



"Dava tudo por amor

Eu vim de longe
Dava pra sentir
Você dançando só pra mim"





Desculpa,


Você é a pessoa certa, na hora errada.

                                               Me perdoe.

Você é importante para mim.
                       
                                        Não sinta raiva.

Se quiser, fique e assim bem de mansinho...
                                    
                                          Me roube para você.

Mas se quiser ir eu entendo.

                                            Vou sentir.

Mas é que meu coração antes de você chegar...
                                 
                                           Foi muito machucado.


Não quero te fazer sofrer.





Se for o melhor, por você. Por agora. Hoje. Fique.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Sobre nós...

" Eu preciso falar com alguém. Alguém não, você." [one day]



E assim como se os dias tivessem perdido a cor, ele chega pedindo carinho. Pedindo atenção. E ela, não percebeu dessa vez o que realmente era. Se era mais uma das brincadeiras fofas que ele faz, onde acabam rolando no sofá de tanto rir.
Contou coisas engraçadas, outras que lhe incomoda ouvir. E dessa vez ele precisou gritar. Berrar. Para ver se ela notava o que estava atrás daquelas nuvens escuras. Então ela escutou. Ela chorou. Ficou com raiva. Ele também. Então veio o silêncio desses que arranca seu coração e faz sangrar. Ele então pegou nos cabelos dela e a beijou. Ela o beijou. Foi doce e envolvente. E ele perguntou. Porque ela fazia tudo o que ele não gostava. Porque ela não demonstrava mais o amor que ela tanto diz. Porque ela se afastou. Porque... Ela baixou a cabeça e sussurro "medo". Ele levantou a voz- "quê" ela o olhou com os olhos já inchados e disse medo, eu tenho medo. Ele disse, Eu te amo, ela o olho e ficou pensando que era um sonho. Ficou sem reação. Ele a abraçou sempre foi você. É além do que qualquer um possa entender é sempre você, mas você desistiu de mim e sem você eu não tenho ninguém... Ela o abraçou e ficaram assim. Respiraram um pouco, se olharam e depois até riram juntos. Ela disse desculpa e beijou seus lábios. As Palavras dele ecoaram até que o sono fosse o vencedor. Mas seus olhos ainda estavam inchados. E ficariam assim por um tempo. Ela cansou. Ela já não sabe o que fazer. Talvez esquecer o q passou. Ou aceitar. Mas aceitar dor. Aquilo não era um jogo. Era um sentimento. E sentir dói.





Então ela pediu, cuida de mim também e não me faz sofrer mas...

sábado, 14 de dezembro de 2013

"É você que tem
Nas tuas mãos
Meu choro de mulher
Tem meu ver
O meu sonhar, o que quiser..."


E mais uma vez eu escrevo. Talvez seja um pouco egoísta escrever sobre o que sinto, mais assim, minhas emoções parecem mais claras. Pode ser as pontuações que impõem continuação ou fim. Mas é um modo de eternizar meu sentir. Pois falar e sentir já não me basta.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

E um dia, você conhece alguém que se encaixa. Que precisa de todo seu amor. E você se entrega. Você ama tudo nessa pessoa e não vê seus defeitos. E um dia, assim sem explicar...ele se vai. Ele vai embora. E você só vê a solidão. O escuro. O vazio. Te deixa seca. E você tentar seguir em frente, mas algo te prende. E depois de um tempo, você percebe que seu coração só precisava dize:
- Adeus.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Meu amor eu...


E me vejo em seus braços, como se fosse um refúgio. Um porto seguro. Te vejo e me sinto como criança. Um frio na barriga. Uma vontade nada branda de sorrir. Um querer sem limites. Sem pressa. Com urgência. Que nasce num beijo e mordidas de amor. Mas sei que é só enquanto o sol não acorda.

Patricia Thomaz


"Calma aí
 Pera aí
 Não espere tanto desse amor

Outra vez
 Sem sentir
 Corro para os braços que me largam
Na tristeza de sentir
 Tanta solidão acompanhada por aí
 De tanto amor pra dar

 Não vou mais chorar
 Não quero dizer mais nada de mal

Olha aqui
 Meu amor
 Não se esqueça nunca que eu tentei

Sem rancor
 Sem mentir
 Sempre fiz aquilo tudo que te prometi

Meu amor
 Foi tanto amor
 Que eu quis que fosse eterno até morrer
 Mas sei que foi enquanto em mim durou

Talvez nós dois
 Sejamos um
 É fato que se consolidará
 Num novo amor
 O nosso amor, amor".

[Monique K.]


quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Tudo bem?

E como se não soubesse a resposta, ele pergunta.
E como se não tivesse sentido saudade, ele pergunta.
E como quem quer ficar, ele pergunta.
E como se importa-se, ele pergunta.
E como se não fosse mentir novamente, ele pergunta.


E ela ainda responde.

domingo, 20 de outubro de 2013

o que não se sabe.

Ele não sabe, mas ela ainda o ama.
Mas não quer mais amar.
Ela não quer mais se iludir.

Ele não sabe, mas ela chorou a dor.
E já não quer mais.
Ela se entregou por amar.

Ele lhe cobra amor, mas esquece de ficar , mas ai se ela cobrar.
O silêncio perdurou após um beijo.
Ela já não quer fingir não ver.

Ele ficou confuso com a confusão dela.
Se irritou: " foda-se"
Ela se calou, e calou, calou...


 Ele não sabe, mas esse foda-se foi o fim para ela. O seu ponto final. A última lágrima que morreria em sua boca. Um olhar. Um piscar. Uma porta se fechando. O Adeus.




quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Com o tempo você percebe...

que sua decepção é do tamanho da sua expectativa.

quem mas te magoa é quem você mais confia.

que o que pensa ser certo, para o outro é o errado.

que as pessoas só mudam quando quebram a cara.

que o agora já é passado. 

que o fim é um novo começo.



sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Dear,
a quanto tempo não escrevo. Os dias tem sido corridos. As horas pesadas e gastas. Mas de todo, não tem sido ruim. E eu estou sorrindo. Você viu. Meu olhar mudou. Minha pele. Tenho novos amigos. Eles são divertidos. E me entendem.Me fazem sorrir. Não como você , mas... Você diz que fico mais bonita. Realmente esse tempo que olhei para mim me deixou mais leve. As vezes me esqueço e tento levar o mundo nas costas. Você sabe das minhas responsabilidades. Não são fáceis. Mas então eu fecho os olhos e volto a sonhar.
Estou escrevendo porque quero que saiba o quanto é importante para mim. Nada vai mudar isso. Nem ninguém. Fico contente quando vejo você sorrir. A gente sempre quer ver bem a quem se ama. A gente quer cuidar. Aquecer. A gente chama atenção e da colo quando precisa. Perdoa. Desabafa as dores do mundo. E as vezes só deixa que as lágrimas caiam enquanto segura a sua mão. Mas as vezes a  gente se afasta de quem se ama. Não porque quer. Porque é preciso. Não para esquecer. Não se esquece. O tempo não cura. Quando dói, dói com a mesma intensidade. Só aprendemos a ser mas forte que a dor. E vai deixando de ser lembrado com tanta frequência.
Tem acontecido tantas coisas. Umas boas e outras não. Queria te contar com calma.Queria te contar sobre meus sorrisos e meu cansaço. Só queria te contar mais... As vezes não consigo contar tudo, é tanta coisa.  Quem sabe amanhã seja mais calmo e eu não saia correndo para o trabalho enquanto você chega. Ou eu fazendo o almoço enquanto descansa na cama. Ou que ao menos que não estejamos tão fora de área, ou quem sabe um café a dois.

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

As vezes é preciso voar. Deixar livre e ser livre. O inesperado pode te tirar do chão. Se permita.Mude. Fale menos e faça mais... Viva intensamente.






quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Engole

E as vezes o melhor é calar e engolir. Sua dor. Seu amor. Sua raiva. Seus pensamentos. As pessoas não querem palavras. Elas querem atitudes. Por mais que você fale, as vezes só o silêncio pode se fazer entender.


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

vale a pena...

"Quem é perseguido, muitas vezes ainda consegui ir adiante, principalmente se estiver sendo perseguido de maneira injusta, mas quem persegue não sai mais do lugar."
Chico Xavier

E foram tantas mentiras que não se sabe mais o que é realidade ou fantasia. O pior é que não sabe o que realmente é melhor. Viver no mundo de suas mentiras ou na realidade. E não se pode voltar atrás. Não se pode recomeçar. Só pode continuar e assumir os erros. Mas não é obrigatório aos que estão a sua volta aceitar ou melhor perdoar. Muito se perdeu. Muito ainda a se perder. Suas escolhas. Suas consequências. Principalmente se você sabe que suas escolhas são erradas. Que causou sofrimento a alguém por olhar pro seu próprio umbigo. E  saber o que causaria. Amanhã sua companhia será a sua própria sombra. 

sábado, 24 de agosto de 2013

Por hoje

Cada relacionamento entre duas pessoas é absolutamente único. Por isso você não pode amar duas pessoas da mesma maneira. Simplesmente não é possível. Você ama cada pessoa de modo diferente por ela ser quem ela é e pela especificidade do que ela recebe de você. E quanto mais vocês se conhecem, mais ricas são as cores desse relacionamento. [A Cabana]
google

...então José me perdoe as palavras duras ontem. Eram raiva. Acho que de mim. Sim, não vou negar você me acalma. Seu sorriso me traz algo de paz. Me traz de volta. Não sei se é amor .Não sei se o considero como um anjo da guarda. Meu melhor amigo ou o que você tanto espera ouvir de mim. Não sei. Sei que te ouvir me faz bem. Resgata a menina doce, tímida. Que adora lilás e margaridas. Que ama sapatilhas. Que lê romances. Que escreve sobre estrelas de cristal, nuvens de algodão e um arco iris de marshmallow . Dos vestidos rodados e fitas no cabelo. Que desenha corações nas janelas embac.adas nos dias de chuva. Que fica olhando a lua. Mas eu sei que você também fica triste porque me faz lembrar de outra pessoa. Você não briga comigo. Olha para baixo e tenta rir pelo canto da boca. Então eu falo qualquer coisa que te faça rir. E você me olha como a pessoa mais linda do mundo e eu me sinto especial. Não prometo, não te magoar.  Eu não te prometo nada. Eu quero viver um dia de cada vez e que ele só termine bem.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Ele e ela [2]

Para sempre é muito forte. É muito vago também. Ninguém vive para sempre. Talvez Cassia Eller esteja certa "e o pra sempre sempre acaba ".  


Ela tinha ele. Ele tinha ela. Assim, pra sempre. Não sabiam o motivo. Mas era mais que amor. Talvez de outra vida. Havia algo que eles não sabiam explicar, mas sentiam. E sentir não era fácil. Era difícil de traduzir. Eram sempre o porto seguro um do outro. Era a calmaria da tempestade. Era confidência. Era desejo. Era doce. Era ardente. Era triste. Era feliz. Era cinza, quase vazio.
As vezes ela era menina dele. Com fita no cabelo. Com nuvens de algodão, flores na janela e um arco-iris lindo para fugirem para o mundo encantado. Outras era a mulher dele, que usava batom vermelho. Renda. Com olhar forte. Que soltava os cabelos e se deixava embalar pela condução dele e deixando as suas mãos deslizarem.
Adoravam conversar sobre os momentos juntos e sobre o que ainda vão descobrir. Lembravam da tatuagem que fizeram juntos. De ele segurando em suas mãos para não sentir dor. E do sorriso doce com um beijo no final da noite. De quando fogem juntos. De quando ele chama ela de chata e ela fica irritada. De depois fazer cosquinhas, mordidinhas no pescoço e beijinhos pra acalmar.
Ele lembra do sorriso dela. De que ama como ela dança. E fala qualquer coisa sobre o balanço do quadril dela quando anda. De como gosta de receber mensagens dela nem que seja com "oi". Que ele sente falta dela. E se pergunta onde tudo mudou e porque. E chora. E pede desculpa. Ele traiu a confiança dela. Ele repete eu te perdi. Te perdi.  Ela chora também e depois sorri. Ela perdoou. Ela ainda o ama. Mas sabe que não vai ser igual. O passado não volta. Só se pode viver o agora. Mas ela mudou. Ele mudou. Mas ele diz que vai voltar. Ela já não sabe. Sente medo ou não quer. Ele abriu uma porta e deixou um tal José entrar. Ele sabe que ele é um mané e que não serve para ela. Ela sabe que não é amor pra vida inteira, mas josé lhe rouba sorrisos. E não houve beijo ou toque nas mãos ou qualquer coisa de pele. Porque não é amor, mas pode se tornar algo parecido, não o que sente por ele. Ele disse que sente ciúmes. Ela diz que precisa de algo que a faça ficar. Ele diz que agora é difícil. Ele têm dúvidas. Ele disse que a ama e que vai voltar, mas que ela precisa provar o que sente. Ela fica em silêncio. Ficam dias sem se ver. Mas ao se verem. Correm e se abraçam e se beijam. Como nos filmes e depois da explosão de sentimentos eles voltam a querer respostas. E se perdem entre medos, o certo, o querer, o fácil, o sentir... e o tempo não espera...

mas ainda se amam.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Sobre nós dois

Entre
Não repare a bagunça
Me conte o novo
Que te conto minhas bobagens
Não deixe o medo entrar
O que tenho já me basta
Mas se ele te seguir
Não desvie o olhar
Me roube um sorriso 
Mas só depois de querer ficar
Então me mostre um caminho
Me mostre o que é o amor
Que eu te mostro a felicidade
Me mostre como ficar
Só não solta da minha mão.



segunda-feira, 15 de julho de 2013

Esvaecer

E vai caminhando coberta de céu azul e uma luz dourada bonita. Vai com os passos calmos. Sem pressa. Um silêncio e nada mais. Que pudesse explicar. Queria algo de paz. Ou algo diferente de vazio. Quem sabe o que se passa onde não se pode tocar. É uma vontade. Um querer de lutar por algo que perdure. Uma vontade  inquieta de ser feliz. Do agora.

O sol ainda não acordou e ela procura em sua gaveta qualquer coisa que lhe faça se encontrar. Um livro. Uma foto. Um CD. Talvez Maná, Marjorie, Megh stock, Nickelback ou até mesmo em Savage Garden. Só queria lembrar dos tempos bons. Só queria ser ela. Sem ter que se preocupar. Sem ter que crescer.Sem inveja. Sem maldade. Sem ter que ouvir qualquer grosseria que a corroa por dentro. Um lápis, um papel e uma música para inspirar. Um desenho, um texto ou uma dança. Sentia falta de algo. Como se tivesse perdido, mas sabia que estava ali e só não encontrava. Chorou. Como se resolvesse qualquer coisa, mas chorou. Pelo passado. Por hoje. Pelos planos que se desmancharam e os que ainda permaneciam. Chorou até não saber mas o motivo.
Colocou um roupa no corpo e saiu. Sem querer saber pra onde ou porque. Só andou pelas ruas com olhar perdido procurando explicação. Procurando algo que a preenche-se. Sabia que não era  fácíl se desfazer do que se viveu. Mas você podia fazer um novo caminho ou seguir pelo mesmo com novas cores ou novas músicas. Poderia plantar uma roseira onde não tinha, uma janela pra deixar o sol entrar e uma árvore para aliviar o cansaço dessa vida passageira. Não conseguia simular felicidade, mas podia [pode] fazer o melhor. Só não podia mas ficar em cima do muro esperando que algo de bom acontecesse. Pois o seu tudo podia ser o nada para alguém agora. Mas em algum lugar esse tudo faria sentido.
E sai assim caminhando olhando para o céu. Talvez sorrindo. Talvez sonhando. Naquele infinito azul com floquinhos de algodão ela encontrou algo que precisava para continuar. Talvez ela só precisa-se ser salva.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Me faça entender

O que é ser importante...
O que é saudade...
O que é não poder ficar longe...
O que é sentir ciúme...
O que é querer fazer feliz...
O que é querer estar perto...
O que é olhar uma roupa ou algo e lembrar...
O que é querer contar tudo...
O que é dividir a sua felicidade, por menor que seja...
O que é não magoar...
O que é um beijo demorado...
O que é pegar no colo...
O que é querer cuidar...
O que é para você?

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Leve tudo


As palavras doces
As amargas
Os sonhos
As ilusões 
As cartas
As brigas
E as reconciliações
O mel
O fel
O sorriso
A lágrima
A primavera
O inverno
Março
E Setembro
As roupas
As flores
A poeira
O nada 





                                                         E você.





sábado, 22 de junho de 2013

Então fica.




" Me pegue pelas mãos
Me traga pra perto
Me pegue pelo coração
Fazendo só o que é certo
Não deixe meu olhar se desviar. "



Ela girava e sorria. Como se fosse menina. Com encantos de mulher.  Os cabelos caia sobre o rosto. Sua respiração era ofegante. E ainda era apenas o começo.
google

 Não sei exatamente o que os ponteiros marcavam, pois cada segundo perdido era como se não houvesse mais tempo de ser feliz. Colocou seu salto alto, vestido preto e desenhou a boca com batom vermelho. Se olhou no espelho e  tentou se reconhecer. Sorriu. Viu uma menina. Viu uma mulher. E quis sentir mais.
Saiu pelas ruas  com os passos marcados. Sem pressa. Sem peso. Como se desfilasse. Sorria com o canto da boca e tinha aquele olhar de quem sonha os sonhos mais coloridos que se pode ter.
Os ritmos variavam. Ela deslizava pelo salão. Se entregou a emoção que as músicas faziam seu corpo sentir.  E sentiu que ali era seu lugar. Era ali. Passava de um braço para outro. E dançava como se o mundo fosse acabar.
Myka já sentia os pés começarem a doer. Mas não queria parar. E jurou não mais parar. Sentou-se no bar e pediu um guaraná com laranja lima [seu vício]. Alguém sussurrou em seu ouvido, lhe convidando para dançar. Aquela voz era conhecida. Lhe estendeu a mão e a levou para o salão. A segurou pela cintura e a olhou como se quisesse lhe desvendar. Começaram lentamente. Ele passou as mão pelos cabelos dela e girou sua cabeça lentamente. E aos poucos foram dançando e dançando e conversavam e sorriam, como se o tempo não houvesse passado. Falou sobre seus olhos, suas mãos, seu sorriso, sua tatuagem, sua dança. Já cansados a pegou pela mão e desceram a escada correndo. Pareciam um casal. Ele contou sobre sua vida. E Myka sobre a dela. E nem chorou.  Até sorriu, porque lembrou de alguém que comparava com novela mexicana. Ele também sorriu.
O sol já nascia. E estava um friozinho gostoso que fazia sentir aquele calorzinho no rosto do sol da manhã. Ele tirou a mecha que estava sobre o rosto dela e enrolou seus cabelos. Ele pediu para cuidar dela. Que podia ser o destino ou momento, mas que com ela era diferente. Que ele nunca se sentiu assim com ninguém. Ela balançou a cabeça e saiu com os passos apressados e a seguiu e a segurou pelo braço. E perguntou é só isso? É assim? Não vai nem tentar?Não vai me dar uma chance mais uma vez? Eu não sou ele. Você nem tentou. Nunca pensou em tentar. Agora é diferente. O que te prende?  Ela o olhou. E ficou quieta. Sentiu medo. Mas também se sentiu bem. Ela se debruçou no muro e fechou os olhos tentando sentir o sol. E ele a abraçou, beijou seu rosto e disse baixinho em seu ouvido: - Só deixa eu ficar.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Quando chegar a hora

"Atenção: Essa vida contém cenas explícitas de tédio. Nos intervalos da emoção."Alice Ruiz
Me permitir o silêncio. Não sei se é bom ou ruim. Mas tem sido necessário. Melhor que gritar. Chorar até adormecer  e acordar com olheiras negras [mas, as vezes, ainda choro]. Ou de fazer qualquer coisa que me permitisse esquecer a dor.  Antigamente. Não mais. Então fico quieta no meu canto. Com pessoas que me fazem bem. E que entenderam que eu não quero responder coisa alguma. Que quero apenas viver. Sem mais. Sem qualquer pergunta sobre passado ou futuro. Apenas o agora. Agora.
Então peço que ao menos não perturbe enquanto escrevo é a única coisa que me faz esquecer a dor [ ao menos alivia]. Que injustiça a minha esquecer do meu doce Sunrise C. e as doses de conhaque, martíni [com  cereja,por favor] e também café. Os dias vão passando assim, sem pressa, sem pena, até chegar o dia da partida.
E não vai haver mais torta de chocolate. Pizzas para almoço. Musica alta na sala. Roupas espalhadas pelo chão. Não vai haver pudim de domingo ou gelatina maluca. Aula de dança ou bolinhas de sabão. Passeios no parque, não vai haver quando chegar a hora... Mas como será triste vê-los chorar. E não poder consola-los. Que serei culpada. E quem sabe falar qualquer coisa coerente e não retórico. Pois depois da despedia o que realmente vai doer, vai ser quando chegarem em casa e verem que não vou estar mais no quarto regando as flores, tirando fotos ou esperando para dar boa noite e cantar aquela nossa música de ninar. Mas vai valer a pena. Pra eles e pra mim. Então vai ser o nosso sonho.

terça-feira, 9 de abril de 2013

antes de dormir...


o sono não tarda eu eu só queria te escrever.  Você sabe, esses dias que parece que falar não representa nada. Como se sempre ficasse faltando algo. Neste momento estou sendo vago demais e talvez lhe escrever não seja a melhor escolha. E quem sabe até amanhã eu me arrependa e ache que meus escritos foram apenas bobagens. Mas amanhã? Quando chegar eu vejo. 
Não passa das dez horas da noite. Meu corpo esta dolorido e minha cabeça parece que vai explodir. Não sei se são os problemas ou a poeira da obra da casa ao lado. Só dói. E eu estou cansada e ouvir que você esta cansado é estranho, mas também me conforta. é bom saber que não estou neste barco sozinha. Então você me diz que não tem mais planos  E  que as coisas que vejo não são o que parece. Que são apenas tentativas frustadas de tentar ser feliz. Mas que quando deita sua cabeça no travesseiro, já não sabe se foi bom ou certo. E que chora. Que sente sozinho. Que pensa em mim e sente raiva por eu não cuidar de você como você queria. Que eu me importo demais com o que os outros falam ou pensam. Que não consegue ser feliz com mais ninguém por mais que tente. Que no fundo... E então você cala e prefere não falar e fica quieto me olhando.  Então eu fico sem reação. Não sei se fico feliz ou triste. E conto qualquer bobagem pra você rir. E digo que vai ficar tudo bem. Vai passar.  E sinto que vai. Como se uma janela mágica se abrisse e fizesse o sol mais bonito. Que o chão fosse verdinho e macio. Na varanda uma rede balançando com o vento e um cheiro de lar. 
Já não sei que horas são, mas sei que meus olhos estão mais pesados. O cansaço quase me consumiu. E uma boa noite de sono vai me fazer bem. E ainda falta muito para sexta. Mas isso não é ruim. Porque amanhã vamos ver um filme e falar sobre qualquer coisa que não faça tempestade e se fizer a gente até gosta da chuva. Na verdade eu só queria que soubesse que eu estou aqui. Continuo aqui. Eu sei que eu estou querendo pular desse barco,mas as vezes o desespero bate e remar já não resolve. Só queria que soubesse. Que entendesse que não é fácil e que eu também sei que pra você também  não é . Só tinha que te contar antes de dormir.

quarta-feira, 27 de março de 2013

vão se os dias

“Dentro de um abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre, dentro de um abraço se dissolve.” [Martha Medeiros]






... e depois de abraços e beijos ele confessou uma tal saudade que ela já não ouvia há tempos. Como se chama? Não sabia nomear ou dizer qualquer coisa. Apenas sentiu. Assim como sentiu os beijos e as mordidas em meio a olhares e sorrisos. Não havia nada além e havia tudo. Podia ser só hoje. Pois ele sempre disse que sua memória já não era tão boa e que seu coração tão confuso. Mas tinha certeza dela. Tinha certeza que precisava dela ali. Que não era igual com ninguém como com ela. Em seus braços. Ele se sente protegido, sem ter que proteger sempre. Pode contar tudo. E esse tudo é tudo mesmo. Pode não contar agora, mas amanhã meio por entre palavras de desculpas, ele fala. E já não quer mas falar, só quer colo, só quer um coração quente para descansar. Mas ele sabe que agora ela já não é mas a mesma. E que já não que a incertezas dos dias. E ele quer qualquer coisa de doce dela, de romântico como a menina que rodopiava com ele pelo salão. Pra ela talvez o passado já não lhe caiba. Talvez só não queira. Ela também não sabe. Pela primeira vez sente dúvida. E então eles se encontram como fugitivos. Querendo um pouco de paz. E as vezes até vêem aquele brilho no olhar. E ficam quietos falando por abraços onde estão seguros e ninguém pode entrar. Onde cabe a lágrima, Sorriso. Beijo.Segurança. Adeus. Que ele já não quer e ela que não queria agora pensa, mas sempre volta. E esse vai e vem é torto. E ele pergunta porque ela faz isso com ele. Por que  só com ela é assim. Ele sente raiva. Não consegue ficar brigado. Se vai embora a segura pela mão. E se ele vai ela sorri e então tudo fica "bem". E diz que um dia ele não vai mais faze-la sofrer.. Vai quietar o coração.Ele só esquece que ela pode não estar para sorrir e ele ficar. E que o amanhã pode não acontecer. Mas dizem que o amor só é bom se sofrer, Será ? E como se não houvesse mais rumo, vão pelos dias incertos.

terça-feira, 19 de março de 2013

Lascas de felicidade

 " É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão.O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem saber ver "                                                                    

[Gabriel García Marquez]




Luz. Lua. Brilho. Noite. Esperança. Impulso. Inquietude. Euforia. Sonho. Realidade. Ilusão. Lágrimas. Sorrisos. Pés nas nuvens. Gargalhadas. Realização. E tudo isso em um único dia. Dia que quis esquecer e depois lembrar para sempre. Sentimentos confusos e entrelaçados que podiam ser feitos e desfeitos como uma laço desses de prender o vestido. 

Um barulho irritante vinha da sala. Podia  ser de um secador de cabelo. Não se sabia ao certo, pois tentava incansavelmente silenciar aquele barulho. Jogou as cobertas no chão e levantou contra a vontade de seu corpo. Ainda era cedo. E não queria desperdiçar com pensamentos tristes que lhe faziam sucumbir e roubar sua juventude.
Não era segunda,talvez não era terça. Tentou lembrar que dia era, mas foi em vão. Já não sabia. Antes pelo menos sabia quando era domingo e segunda pois ficava com Lucas. Mas agora que ele vem nos outros dias também. As vezes intercalados e outros não. Já não sabe. Mas sabia que a lua meio pálida ainda estava lá.
Beta ligou o rádio na sala.  Sentiu vontade de gritar " Desliga essa porcaria [tentando ser um pouco educada]" Mas era em vão e depois até gostava da banda. Se jogou na cama e ficou ouvindo. Depois cantando. E pulando. Como se ela nunca tivesse chorado na noite anterior por sentir medo. Medo das coisas que Lucas pede para ela não pensar e ainda sim pensa.
- " chegou a hora de recomeçar
Ter cada coisa em seu lugar
Tentar viver sem recordar jamais "
Repetiu e repetiu. Incansavelmente. Como uma criança que aprende sua primeira música. Pegou sua sapatilha já desgastada e suja e rodopiou. Criou uma coreografia. Ou melhor. Cada vez que repetia a música era uma nova. Não cansava. Seus pés já estavam com bolhas. E mesmo doendo sorria. E sonhava. Desistiu então de planejar. Resolveu sentir. Como é que Lucas disse mesmo : " Quando você dança, você se ilumina, você nasceu pra isso. Seu corpo e seu olhar. A leveza e a presença é notável. Eu amo você dançando, foi assim que me apaixonei por você ".  Então ela tomou seu café e correu para o trabalho.
As ruas lotadas e nem era segunda ou sexta. E ainda sim as pessoas se esbarravam e de repente tudo virou música e tudo virou dança. E então voltou a dançar. De um lado para outro. Desviando. E foi pela rua sorrindo e sorrindo. Parecia essas  enamoradas e por que não ser?
E naquela noite, naquele azul... Ela encontrou seu lugar. E bastou apenas um som. Um toque nas mãos. Um passo Um olhar... Pra ela se sentir viva . Pra sentir uma pequena parte da felicidade.


quinta-feira, 14 de março de 2013

Você deixou saudades...

"Tem só uma coisa que eu queria dizer pra vocês antes de ir embora: A gente fala esse monte de loucura, fala palavrão pra caramba, passa toda a nossa rebeldia, a nossa atitude, o que a gente acredita… O fato de eu ter tatuado em mim, no meu braço, “Marginal”, não quer dizer que eu sou um marginal que faz várias fita, que a assalta os outros não. Quer dizer que eu tô a margem, de muita coisa que eu acho que é hipócrita, que é mentirosa, tá ligado, eu tô a margem da inveja, eu tô a margem da revolta ruim, tá ligado. Porque eu fiz da minha vida, uma vida de trabalho, de batalha. E nela, tá ligado, o meu sonho se fez, e se fundiu. Graças a vocês, mas a gente batalhou muito pra chegar aonde a gente tá. Só que tudo isso que a gente tem, tá ligado, sem uma consciência que a gente adquiriu, hoje não era nada. Porque eu, hoje, eu tenho uma coisa que talvez vocês não tenham. Que é uma banda de sucesso, é uma vida louca, de cada dia tá num lugar, de aparecer na televisão, de tocar no rádio. Só que muitos de vocês tem uma coisa que eu não tenho. Que é o pai de vocês, tá ligado. Meu pai se foi faz dois anos, e até hoje eu não consigo entender porquê. Então, se você tem pai, se você tem mãe, se você tem uma casa, se você tem uma comida na mesa, se tem uma cama limpinha, quentinha, se você tem saúde, se você enxerga, se você escuta, se você se supera, se você erra e aprende com o seu erro, AÍ VOCÊ É FELIZ, AÍ VOCÊ TEM TUDO! Porque dinheiro e sucesso não compra tudo não. O dinheiro compra muita gente, mas não compra tudo não, tá ligado. Então quero que vocês entendam, que o melhor que a gente pode ter na vida são as coisas básicas: é a nossa saúde, é a família, é o amigo, é o lugar pra viver, tá ligado, é ter no que acreditar, é viver em função de um sonho. Eu tenho uma alma, que é feita de sonhos."    [Chorão]







segunda-feira, 11 de março de 2013

Branda confusão




E as vezes eu sinto medo E sem quase nenhuma razão uma felicidade inquietadora. Sinto vontade de cantar e de contar ao mundo e depois me calo. Me vejo confusa e depois clara como água. Será que sou eu ou é o mundo que anda na contra mão. Eu não sei. Tudo que sei é que não adianta o quanto eu planejo Minha vida nunca segue aqueles passos. Como não? Eu tento fazer tudo certinho. Mas sabe é muito difícil viver. É muito difícil escolher.  Ser mulher. Mãe. Esposa. Amiga. Eu sei você deve estar pensando que todo mundo sabe disso. Então você sabe como as vezes você quer fugir do mundo. Mas ao contrário enfrenta tudo. Porque é nos piores momentos que encontra forças onde achava que não tinha. E você se vê fria. Cansada. Vazia , ou quase, porque no fundo você sente um amor que poderia contagiar o mundo. E você o cala. O afoga. O asfixia aos poucos. E começa caminhar mas devagar. Como se embaixo dos seus pés tivesse um um lago revestido de gelo delicado e fendido. E isso é bom. As vezes é doloroso, mas é bom. Bom porque te ensina a viver. Te ensina a ser forte. Te ensina a não cometer os mesmos erros e quase sempre começa acertar. E de repente você tem uma nova chance de fazer do seu passado um novo presente e você quer, mas sente medo. De errar. De sofrer. Mas isso é o que o amor nos causa. Porque o que é verdadeiro vive para sempre. O que não é, parece sempre incompleto. É sempre incompleto. E vai ser sempre. Você me entende. O amor verdadeiro não é egoísta. Não é competitivo. Não é destruidor. Não é violento. Não é mentiroso. É cúmplice. É amizade. O amor é muito mais... e ainda tenho muito a aprender. 

sábado, 9 de março de 2013

como hoje



E as vezes as noites começão frias. Mas de repente elas podem te surpreender, como hoje. Ela se torna aconchegante e doce. Se transforma em puro mel. Existe algo mais doce? Um segredo. Erro. Desculpas... Palavras... As vezes só basta um olhar, um abraço, um toque nas mãos, um beijo... As vezes o silêncio é bom. As vezes, como hoje ele basta.

terça-feira, 5 de março de 2013

quem sabe


E  você abre os olhos e tudo a sua volta esta uma grande bagunça. E você não consegue fazer nada. Era como se estivesse num coma profundo. Onde o tempo não para, as pessoas continuam a viver e você fica ali. Em inercia . Ali...E como num estalar de dedos você sente uma vontade incontrolável de respirar. Eu sei, talvez isso não tenha haver com você, ou seja um monte de baboseira. e  até mesmo  ri e no fundo você entende. Pois quem ficou ali foi quem realmente te ama. E você se senti sozinho. e pensa em desistir. Os que foram roubaram um pouco de você. Roubaram seu olhar doce, sua inocência, sua alegria... E outros continuam te usando. Mas mesmo assim você respira fundo e tenta ver um pouco de luz de esperança. Seus planos? não se realizaram da forma que gostaria.  E nada parece dar certo. Mas você continua a lutar todos os dias para se manter vivo, mas quando consegue o que tanto quis não sabe por onde continuar. Então quem sabe ser um dia de cada vez. Quem sabe conquistar um dia de cada vez, sem planejar. Só respirar fazendo o melhor que pode. Pois na escuridão há medo, mas também existe esperança. O que acha de hoje você começar a fazer algo para você. Pode ser difícil fazer o certo hoje, mas amanhã vai ser melhor. E quem sabe você só comece abrindo a janela e deixando um pequeno raio de luz entrar.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Escolhas

Era final da primavera. Ainda havia rosas no jardim, mas outras já estavam desmanchadas no chão. Marta havia trabalhado o dia inteiro, contava os segundos para sentir o cheiro de casa, da comida, das crianças... Já passava das 9 horas. As luzes do jardim estavam apagadas. Entrou em casa, as crianças assistiam TV. Crianças? Maicon tinha 15 anos e Ângela 17. Deu um beijo em cada um e depois se jogou no sofá. Estava cansada.
Tudo estava em seu lugar. Na cozinha vinha um cheiro bom. Marta não havia comido o dia inteiro. Na mesa tinha um bilhete" amor, seu jantar esta no microondas." Sorriu. Jantou acompanhando o filme que seus filhos assistiam. Para ela não passava de bobagens de adolescente. Subiu. Foi para o banho. Deu um beijo de boa noite e foi dormir. Rolou na cama sentiu medo ao sentir que alguém a olhava. Mas adormeceu olhando a foto do seu casamento.
Seu marido se chama Rômulo. Para ela era, Xuxu. Sim, era assim que ela o chamava. Ele trabalhava em uma empresa de publicidade de sucesso. Vivia viajando. E aquela noite não estava em casa. Mas era como se tivesse.
Acordou como de costume. Foi fazer o café. Achou estranho não haver barulho. De Maicon não ter ligado o som alto, pensou ser um milagre. Foi pegar o jornal. No chão da varanda haviam marcas. Pegadas... Era sangue? Não sabia. As pegadas contornavam a casa, cada vez mais era a certeza. Gritou pelos filhos. Responderam com raiva por te-los acordado. Desceram. Ouviram um grito. Era Marta. Havia encontrado um corpo com sangue nos fundos e seu marido ajoelhado chorando. Ela não entendia.
- Oi querida - disse Rômulo aos prantos. Esse é Roberto, meu colega de trabalho. Nunca te disse, mas ele vivia me seguindo... Me perguntava sobre você e... Hoje de madrugada quando cheguei ele estava te observando dormir. Fique vigiando de longe, até ele tentar entrar em casa. Não pensei duas vezes e fui para cima dele.Ele estava armado, na briga ele sacou a arma...brigamos novamente e a arma disparou.
Marta não tinha reação. Só chorava. Secou suas lágrimas e disse: Obrigado por me proteger... Fez a coisa certa? E agora? E nossa família? Você destruiu tudo por ciúmes? O que é certo? É errado proteger quem ama?  Sentou ao seu lado e o abraçou. Choraram...
google

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

fosco.

by Patricia Thomaz


Por mais que tudo pareça tão triste, não é.
Por mais que pareça vazio, não esta.
Vejo tanta beleza nas ruas cinzas e vazias.
Não é preciso sorrir para mostrar que esta feliz.
Estou cheia,
Inundada de sentimentos,
Mas  dos melhores.
Gosto da sensação de infinito.
Da luz lá no final em que apenas minha visão alcança 
E eu,já não tenho pressa de chegar
Quero cada segundo que se possa respirar.
Esta tudo tão calmo.
Esta tudo indo para o seu lugar.
Meu coração ta tão quieto.
Ou melhor tranquilo.
Talvez me atreva a chamar de paz.



sábado, 26 de janeiro de 2013

mas que um sonho

Lua de prata no céu
O brilho das estrelas no chão
Tenho certeza que não sonhava
A noite linda continuava
E a voz tão doce que me falava:
"O mundo pertence a nós!"


E ela acordou assustada com o alarme do despertador. Aquele de corda que seu pai lhe deu e acordava a casa inteira. Ainda era cedo,passou a mão sobre a cama e sim, seu marido ainda estava lá para protege-la, foi apenas um pesadelos. Com seus pés trançados aos delas, como ela gostava. Da cozinha vinha um cheirinho de café. Daqueles que faz você sorrir e pensar que o dia vai ser bom. Ontem havia sido perfeito. Que achou que fosse um sonho. E teve medo de perder tudo de novo.
Os anos passaram e ela mudou. E aqueles momentos felizes confirmavam tudo. Não era sonho. Mas ela ainda sonhava. Ainda amava. Ainda tinha medos. Mas também era mais forte. Ela apenas precisava se encontrar no mundo.
Saiu na ponta dos pés. E antes que chegasse na cozinha ele a segurou pela cintura. Deu milhões de beijos carinhosos, concertou seus cabelos e a pegou  no colo e a deitou no sofá. " Fica aqui" Ele sussurrou em seu ouvido. Ela sorriu e deitou em seu ombro. E teve pensamentos tão doces que passou por lugares inatingíveis. Adormeceram.
A luz do dia já encobria a sala.  Abriu os olhos devagar. Tudo tão familiar. Ainda despertando do sonho, aproveitou a preguiça boa. E ela achou tanta graça. Que os dois começaram a rir, assim sem motivos, ou melhor, com muitos motivos. E ele perguntou, o que foi ? E ela respondeu , não foi nada. E correu para a cozinha fazer o almoço, mas continuou a sorrir. E ele perguntou o que foi sua boba? E ela o beijou com carinho e disse, Estou feliz meu amor.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Outrora...

As horas findavam junto com o sol
As luzes pela cidade lembravam vagalumes
E embora elas existissem
A escuridão ainda lembrava ilusão

Passos calmos
Casais sorriem enamorados
E ainda que tudo lembrasse solidão
Era bonito

Milhões de estrelas
Imensidão de esperança
Essa que quem sabe...
Traga paz

Joelhos sobre a areia
Lágrimas pelo rosto
Súplicas de um amor
Que outrora já viveu

Agora busca consolo pelas noites
Cantando ao vento sua dor
Das noites de amor sobre o luar
Pra cessar o que passou.



p.s : tema da semana.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Pais,


aqueles que mudam seu mundo para ver seu filho sorrir.
que não estão sempre certos, mas fazem o seu melhor.
que estão sempre perto.
seja para contar uma história ou para chamar sua atenção.
que zelam pelo seu sono.
que muitas vezes te viu chorar e choraram junto.
que rezam todos os dias por você.
que tentam te proteger do mundo.
que nunca te deixam sozinho.
que fazem de tudo pra que você tenha orgulho.
aqueles que amam incondicionalmente...
foto google

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

e você não vai poder me salvar...

algo como tênue vai acontecer. Eu sei. É o que a gente espera. É o que se deseja. Poderia simplismente dizer algo de bonito e colorido, mas a vida não é sempre assim. Mas se fosse? Você seria feliz? Se sentiria completo? Me pergunto todo dia. E confesso que tenho tentado escrever sobre qualquer coisa que se passa em minha mente, mas os pensamentos são confusos e embaralhados.Tudo acontecendo muito rápido e novo. Não acha confuso? Acho que a única certeza que tenho é que agora eu ainda estou viva, mas daqui a alguns segundos talvez não. Triste? Não, é o real. E eu não quero morrer.E se os que amam esquecerem de mim? Se perderem a memória? Se não se importarem? E se um dia alguém especial disser : -  Agora você é apenas alguém que eu conhecia. Você vai chorar ou vai recomeçar? Aqueles segundos com certeza irão doer, mas ficaram no passado. Quero apenas aproveitar o tempo que tenho. Correr por entre um jardim e sentir meus cabelos livres e bagunçados. Cantar até ficar rouca. Dançar até os pés criarem calos. Fazer bolinhas de sabão com minhas estrelas.  Beijar o meu amor com a alma e o corpo. Fugir do que for convencional. Tomar aquele banho de chuva e depois ficar encolhida nos braços dele. E sabe amor, também penso nos dias escuros. Em que você vai segurar minha mão quando estiver com medo. Eu sei que não parece mas eu tenho. Sou frágil. Preciso de demostração de afeto. Dessas coisas que achão bobas, mas não é. E se amanhã eu não acordar meu amor, pelo menos eu vou ter olhado em seus olhos e sorrido. E você vai segurar a minha mão e eu não vou ter medo, mesmo não podendo me salvar, e eu sei como queria, ainda sim irei ter sonhos bonitos. Mesmo que amanhã não possa mas toca-lo. E se ainda sim o sol continuar a entrar pela janela. Não chore. O que fica são os momentos bons que verdadeiramente se viveu.

Outras intensidades

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...