sábado, 30 de abril de 2011

Gosto...


Gosto da cor do sangue
Gosto da força que ele me traz
Da sua vivacidade
Gosto do meu lado sedutora
Do sabor do pecado
De pintar as unhas
De te arranhar e
Degustar os  vinhos mais caros
Gosto de me perder em seu corpo
De te provocar e te deixar louco
Gosto de ver nossos sorrisos  refletidos em nosso olhar.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Me deixa ser...



Passava as noites na varanda.Cantava e quando conseguia escrevia.Escrevia muito bem.Aquela noite a lua estava estava cheia e ele quase conseguia sentir.Na sala alguém estava em frente a tela colorida,vendo as pessoas se destruindo. Não suportava. Nas ruas os rostos tinham sorrisos.Ali nada,além do vazio.
Sentado sobre o muro, Lucas chorou.Abraçou suas pernas.Gostava de sentir a brisa secando suas lágrimas. Não se sentia tão só. Um pássaro de olhos pequenos e brilhantes pousou na grade ao  lado. Sentiu como se alguém o invadisse. Ali era seu refúgio. Só seu. Começou a observá-lo. Reparou em suas asas e em seu tom negro. Perguntou - " Me deixa ser você? "- Pensou que assim talvez ele poderia conhecer um mundo diferente. Já havia sofrido tanto. Deitou sobre o céu estrelado. Ainda acordado. Confidenciou a lua que faria qualquer coisa para viver um dia o gosto da liberdade. Como um sonho sólido.Mas...mas se... Talvez não houvesse nada além daquele escuro. Sentiu-se fraco. Faltava-lhe o ar. Era como se estivesse preso em uma correnteza. Tinha medo.Um que nascia da ponta dos pés até o último fio de cabelo. Se fez em lágrimas. Viu-se confuso. Olhou novamente  para o pássaro. Vagaroso, aproximou-se do pássaro indistinto. Perguntou - " Por que não voou?Não tem medo? " - o pássaro com seu pequeno bico pegou um barbante presa em sua pata. Abriu asas. Pousou sobre os ombros. Ele pegou-o com cuidado e desamarrou o barbante da pata do pequenino. Ficaram assim. Quietos. Ele voou. Lucas sorriu. Sim. Não se sentiu tão só. Talvez porque estivesse mais perto de entender, apesar de ser quase incompreensível.

sábado, 16 de abril de 2011



Esperei que as luzem se apagassem e me permiti aliviar o peso dos meus olhos.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Menina.


Aquela menina com saia rodada
Sorriso de anjo
Tirou a paz do meu coração.

A menina é flor
Tem tanta cor
Que tudo têm mais sabor.

Menina com perfume de mulher
Com marcas da dor
De quem um dia sofreu por amor.

Minha menina tem tanta beleza
Bagunçou minha cabeça
 Agora sei o que é a felicidade.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Fecho os olhos. Cansada.Pensando numa maneira de tudo passar. Esperando que a vida não fosse tão banal. Final de tarde. Ainda estava decrépita. Pensei em sair sem rumo , mas hoje você não pode segurar minha mão. Um banho. Era o que precisava. Mas um que lavasse a alma e fizesse escorrer pelo meu corpo toda a inquietude do meu ser.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Desejos ocultos


Não sei o que esconde, mas
Quero desvendar seu segredo
Tocar seus lábios e
Cantar pra te ninar,
como se fosse uma criança que tem medo do escuro.

Não diga que o ama
Ele não se importa
Só fique
Não importa o tempo.
Apenas fique aqui [ao meu lado].

Já não posso mais
Nem quero aceitar
Você não sai da minha cabeça

Você me chama de louco, mas
É você que me faz perder o juízo
Me evita
Me provoca...

Por essa noite,
Deixa eu ser ele...

quarta-feira, 6 de abril de 2011

É tarde.





Permaneceu em seu quarto.Tudo era insosso. Seus olhos estavam cansados. A vida seguia e ela não queria mais ser, nem ter. Resolveu se esconder dentro de si. Até onde aguentaria?Trancou tudo que era insuportável.Um copo de whisky e um cigarro na mão.Debruçou sobre a janela.Vazio? Já não conseguia dar nome as suas emoções, mas parecia interminável.Estava com sede da sua felicidade fracassada.Não conseguia ver o céu. Tudo estava escuro e não havia estrelas. Só a ponta do cigarro invadiam as sombras.Tonta deixou o cigarro cair sobre o seu corpo semi-nu. Acendeu as luzes.Havia muita coisa no chão.Pegou uma faca. As lágrimas borraram o lápis preto dos olhos. Acendeu outro cigarro.Gargalhou. Cortou levemente o pulso. O sangue gotejava.Longe, escutou o som da campainha que não parava. Seu vestido estava coberto de sangue.Abriu o portão. Derramou uma lágrima e disse: '' é tarde ".

terça-feira, 5 de abril de 2011

Dear,
Quero sempre estar ao seu lado. Em suas mãos meu coração é bem melhor, mas feliz e puro. As portas estão se abrindo, meu amor. Tentei tantas vezes fazer diferente, mas o que faltava nós aos poucos vamos encontrando. São tantos detalhes. Me abrace apertado hoje. Afogue meu medo.Já nem desejo voar, pois tudo que preciso para ser feliz se encontra com  os pés no chão. Esse tudo é você. Quando eu esqueci quem era, você me deu colo e me mostrou o que via em meu coração. Ainda estou consertando alguns pedaços da minha vida. Meus sonhos, meus equilíbrios e meus amores,mas tudo é mais fácil com você ao meu lado. Nossas princesas estão crescendo e assim como no domingo de sol, nos vejo de mãos dadas passeando pelas ruas. Sorrindo.



segunda-feira, 4 de abril de 2011

As taças estão sobre a mesa.Precisava de algo que desfizesse o nó na garganta. A saudade é muita. Sei que faz horas que te vi, mas parece anos.Ligo o rádio.Me balanço na rede.Não quero que a música acabe. Não quero ouvir meu coração gritar.As vezes acho que não consigo, foram tantas mentiras.São tantos anos juntos. Tantas dificuldades.Eu rezei esperando que os deuses me escutassem.Mas acho que não clamei o suficiente.Me pego então nas lembranças bonitas para aliviar a saudade.Assim sinto você aqui.Lágrimas silenciosas escorrem pelos lábios que ontem você beijou.Me olho no espelho. Vejo seu sorriso sobre os meus ombros e colocando o cordão prata com um pingente de coração em meu pescoço.Beijou minha nuca. Quero que passe.Eu tento e tento tudo por você, por nós. Só quero que as mentiras sumam e fiquem as verdades.Mesmo que crie nosso conto de fadas. Uma forma de fugir do mundo real, as vezes é mais fácil lidar com seres sobrenaturais do que pessoas.O que importa no final é estarmos lado a lado vendo o nascer do sol, ao término de mais uma batalha.

domingo, 3 de abril de 2011

Por hoje.


Beijou meus lábios, me olhou docemente e foi. Respiro fundo. Seguro as lágrimas e sorrio. Só mais alguns passos para chegar em casa. Agarrei o travesseiro. Só conseguia pensar na ponta de seus dedos tirando meu cabelo dos olhos, deslizando sua mão em meu rosto e me olhando...  nos amamos.O vento balançava as cortinas e  deixava no ar friozinho no quarto, mas nossos corpos cálidos estavam entrelaçados. Caminhamos pelas ruas cheias e nossas mãos se encontraram e essa ligação nos protegeu .Queria que fosse sempre assim. Queria lhe salvar dos problemas, te pegar no colo e lhe fazer sorrir quando o mundo lhe faz mal. Queria que soubesse, mesmo que conheça todos os meus segredos.Tenho andado cansada. Não quero mais brincar de esconde-esconde.Os dias tem sido compridos, mas quando estou com você eu tenho forças para continuar.Quero que isso passe, Dear.Mas por hoje fico aqui olhando as estrelas e esperando você me ligar para dizer que esta bem.Pois sei que onde estiver, estaremos sobre o mesmo céu.

Outras intensidades

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...