quarta-feira, 6 de abril de 2011

É tarde.





Permaneceu em seu quarto.Tudo era insosso. Seus olhos estavam cansados. A vida seguia e ela não queria mais ser, nem ter. Resolveu se esconder dentro de si. Até onde aguentaria?Trancou tudo que era insuportável.Um copo de whisky e um cigarro na mão.Debruçou sobre a janela.Vazio? Já não conseguia dar nome as suas emoções, mas parecia interminável.Estava com sede da sua felicidade fracassada.Não conseguia ver o céu. Tudo estava escuro e não havia estrelas. Só a ponta do cigarro invadiam as sombras.Tonta deixou o cigarro cair sobre o seu corpo semi-nu. Acendeu as luzes.Havia muita coisa no chão.Pegou uma faca. As lágrimas borraram o lápis preto dos olhos. Acendeu outro cigarro.Gargalhou. Cortou levemente o pulso. O sangue gotejava.Longe, escutou o som da campainha que não parava. Seu vestido estava coberto de sangue.Abriu o portão. Derramou uma lágrima e disse: '' é tarde ".

Outras intensidades

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...