Até...


É carnaval. Sei você não quer. Não que não ache divertido. Apenas não por agora. Por hoje. Deseja uma paz.

As ruas estavam tulmutuadas . Sorrisos nos lábios da multidão. Também sorria, por instantes conseguiu se sentir bem, até respirar novamente. Faltava algo. Alice descansou ali mesmo no meio-fio. Alguns confeites cairam sobre sua cabeça, assim como a chuva fina que aos poucos encharcava sua roupa.
 Foi caminhando enquanto desviava dos '' urubus " que desejavam sua carne. Ela sentia nojo. Deles e dela. Não queria que olhassem sua coxa ou a bunda. Queria que vissem sua alma, mas o que esperar ali? Olhou em sua volta e sentiu seu corpo tornando-se líquido. Alice abriu os olhos, sentiu uma dor no fundo deles, pois era uma luz tão branca que incomodava. Uma voz ao fundo perguntou - ''Está bem?'' - Se ela soubesse não faria essa pergunta. Acomodou-se a maca. Deu um gole no café já frio e disse - "Preciso ir. A felicidade me espera".- a enfermeira balançou a cabeça e virou as costas.
Ouvia-se o som de seus passos no corredor. Só queria sair dali. Seu telefone tocou. Era ele. Como queria ouvir sua voz, como queria ouvir que sentiu saudades. A porta de vidro se abriu. Antes que pudesse pensar nos erros, atendeu. Então escutou uma voz suave (longe).
- Oi !
-Oi, minha morena!Estou com saudades. Desculped não querer ir. Mas não estava bem.Quero te ver. Preciso de você...
-Eu também...Estou te esperando. Te adoro...
- Estou indo...
- Meu amor! Esse vai ser nosso melhor carnaval.
-Vai sim. Até
-Bjos
A porta de vidro se fecha e ela olha par trás e sorri. Desfila pela ruas escuras, mas agora com um brilho próprio, porque sua alma sorri. Agora todos olham aquele doce olhar.

Postagens mais visitadas deste blog

Sapatilhas azuis

Detalhes

Entre as paredes